História dos Palitos Dental

Para manter os dentes limpos a humanidade, em sua cultura e civilizações, utilizou ou adaptou vários objetos, gravetos, espinhos e ossos são apenas alguns itens da extensa lista exótica de limpador de dentes. No Brasil, por volta do século XIX, utilizavam-se palitos de salgueiro.

A escova de dente, apesar de existir, não era tão difundida. Observando a necessidade da higiene bucal, o norte-americano Charles Forster buscou planejar algo que facilitasse a higiene dos dentes expelindo os resíduos que se prendiam entre os mesmos. Na décadas de 1840 e 1850, Forster esteve no Brasil, para ajudar nos negócios de um tio que vendia móveis.

Forster, em Pernambuco, encantou-se com a beleza dos dentes das mulheres brasileiras que usavam palitos de salgueiro. De volta aos EUA, contratou um inventor de máquinas que possibilitasse a criação de um equipamento de produção de lascas de madeiras.

Em 1870, já produzia mais de 1 milhão de palitos de dentes por dia com qualidade e ótimos custos, mas ainda encontrava dificuldades para encontrar o seu público. A solução para propagar o seu invento e criar o hábito do uso do palito de dente, Charles Forster encontrou na idéia de contratar jovens para almoçar em restaurantes de Boston e no fim da refeição exigir um palitinho de dente.

Dias depois da encenação “publicitária”, se assim podemos dizer, Forster visitava os mesmos restaurantes munido de seus produtos que logo eram adquiridos para serem ofertados aos clientes do estabelecimento. A tática deu certo, as vendas aumentaram e já estava instituída a necessidade do “palitinho de dente”.

Charles Forster faleceu em 1901, milionário e deixando o filho Maurice como herdeiro do negócio que se tornou rentável em escala mundial. Em 1992, a empresa se fundiu com outro grupo empresarial e atualmente pertence à marca Jarden.

Fontes
Revista Super Interessante, Março 2008.